Ir direto para menu de acessibilidade.
Página inicial > Opinião do Diretor-Presidente > Pauta positiva para Certificação Digital
Início do conteúdo da página

Pauta positiva para Certificação Digital

Publicado: Sexta, 26 de Junho de 2020, 14h39

Análise de mídia: Semana de 22 a 26 de junho

Carlos Roberto Fortner*

Ao acompanhar a cobertura dos principais veículos de comunicação do país durante a semana vejo o quanto a certificação digital, os processos e a realização de atividades no meio digital estão expandindo. Um ponto positivo para o campo de atuação da ICP-Brasil.

Essa ampliação pode ser reconhecida em algumas notícias que retratam o que surge como inovação seja no terceiro setor, na vida pública, nas propostas do judiciário, na área da saúde, nos serviços cartoriais e até no campo mais sutil dos relacionamentos.

No judiciário, o divórcio virtual já é uma realidade, e no Distrito Federal, a Corregedoria da Justiça do Distrito Federal autorizou a realização digital do registro de animais de estimação nos cartórios de registro civil de títulos e documentos.

Também já é possível fazer a escritura de imóvel sem sair de casa, bastando para isso o vendedor e o comprador possuírem certificados digitais criados pela plataforma e-Notariado, gratuito, ou do padrão ICP-Brasil.

Notícias também mostram o aumento do uso da inteligência artificial e do certificado digital na área de saúde e medicina, motivados pela urgência em tempos de pandemia. Tenho certeza de que essa evolução é apenas o começo de uma nova e mais ágil relação entre médico e paciente.

O uso do certificado digital ICP-Brasil como parte fundamental desses novos processos e práticas demonstra a confiabilidade, transparência, eficiência, integração e inteligência da Infraestrutura de Chaves Públicas Brasileira, facilitando e simplificando a vida do cidadão.

E essa agenda vai ser a cada dia mais positiva.

 

*Diretor-presidente do Instituto Nacional de Tecnologia da Informação – ITI, engenheiro civil, da Escola Politécnica da USP, atuou na Empresa Brasileira de Correios e Telégrafos como presidente, vice-presidente de Finanças e de Operações. Foi diretor de Gestão e Tecnologia da Informação do Conselho Nacional de Desenvolvimento Científico e Tecnológico (CNPq) e Subsecretário de Planejamento, Orçamento e Administração no Ministério da Ciência Tecnologia Inovações e Comunicações.

Fim do conteúdo da página